terça-feira, 28 de novembro de 2017

Ombú: farol das pampas e menina bonita de Lisboa

 Bela-sombra lhe chamam por cá, Phytolacca dioica, para os entendidos. A mim soa-me melhor o nome de ombú que lhe é dado há séculos pelos índios Guarani, ombú que para eles é sinónimo de vulto ou sombra, ombú sejas, neste texto que é meu ombú ficas.

 Ombú planta herbácea de caule esponjoso, que pode facilmente ser cortado à faca, dele brotando uma seiva mal-cheirosa, um veneno, que afasta os insectos e evita os herbívoros. As folhas, porém, podem ser usadas como laxativos ou purgantes, na medicina tradicional, para o gado como para os humanos.  O fruto do ombú é uma baga com reentrâncias, de casca amarelada e polpa macia e suculenta, em cachos, como se vê aqui:

 Ombú símbolo da cultura gaúcha, do Uruguai e da Argentina, que se deixa ver de longe e providencia abrigo contra a chuva e o sol, uma bela-sombra, com o sol a pique, isolada e altaneira. Serve de guia aos ganadeiros perdidos nas planícies e por isso lhe dão por lá o carinhoso epíteto de farol das pampasPor lá, farol das pampas, por cá, eu te baptizo, menina-bonita de Lisboa.
 Que seis vezes seis mereceu já o nobiliárquico título de "árvore classificada", património municipal, o que lhe dá direito a tratamento especial: na Praça de Damão ao Restelo (onde tirei estas fotos),

 no Campo de Santana (2 exemplares), na Praça António Sardinha à Penha de França, no Jardim António Feijó aos Anjos, na Quinta Nova da Conceição em Benfica, e ainda  no Largo do Limoeiro... Precisamente, aquele exemplar muito fotografado pelos turistas, ali num canto, a ver passar o eléctrico 28, de vigia à entrada da antiga cadeia do Limoeiro e com vista para o Aljube, a uma centena de metros, é um ombú. 
O que não terá ele visto ao longo dos tempos! Quanto nos poderia contar o ombú, se o deixassem falar, das prisões e desgraças que testemunhou. Artur, Zé Manel, tantos outros, o ombú viu-vos, estava à coca, naquelas madrugadas em que PIDE irrompeu por Vossas casas à hora do leiteiro e vos levou para os curros do Aljube por tempo indeterminado... Enfim, não sei se terá sido por isso, mas o ombú, bela-sombra, farol das pampas, muito bem adaptado aos ares da cidade, seis vezes já ganhou o título de nobreza municipal. Sexacampeão, nenhuma outra árvore, ou clube, se lhe compara.

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Mas ké ké isto ó meu?



Maria do Céu Machado, Presidente do Infarmed ao Público de hoje segunda feira, 27/11/2017: "No dia seguinte (quarta-feira) estivemos no seu gabinete: conselho directivo, comissão de trabalhadores, o ministro e a assessora jurídica.
O senhor ministro disse que percebia, de certa forma, que isto era uma notícia surpresa e que não era uma decisão, era uma intenção. Várias vezes repetiu isso."
Confirma, sr. Ministro da Saúde? Ou andamos a brincar?

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Adeus até ao meu regresso!

Já cá não vinha há mais de 5 anos. Pensei que nenhum blogue se mantinha no ar ao fim de seis meses de inactividade, aparentemente enganei-me: se este post passar, ainda estou para ver, enganei-me mesmo. E vou ter de pensar melhor se reato o fio à meada ou promovo o hara-kiri final do blogue.
Está aí alguém?
Querem ouvir falar de política? E de futebol? E se fosse de botânica, hem?! Tenho andado embevecido estes últimos tempos pelas ruas de Lisboa a olhar para cima. Olhar para cima - é a palavra de ordem de mim para mim neste momento. Olha esta é uma Tipuana tipu, o orgulho da Bolívia, temos tantas. Aquela é uma Liquidambar styraciflua, que dá uma resina saborosa, mastigável, os índios da América que o digam, terá sido mesmo esta resina a origem e inspiração da pastilha elástica E sobretudo as liquidâmbares aqui da Avenida João XXI estão a ficar lindas à medida que o Outono vai avançando. Querem que vos mostre? Ainda hoje tirei fotografias. Querem lá saber?! Bem me parecia.
Adeus até ao meu regresso.

sábado, 18 de agosto de 2012

Nous sommes tous des Poussy Riot

Que houvesse uma reprimenda, uma multa... é como o outro. Agora este processo? Uma condenação deste calibre? De la prison pour une chanson - é um escândalo, cheira a União Soviètica, protestar é preciso. Contra este novo "processo de Moscovo". Contra a barbárie de uma sentença destas. Há que atirar-lhes à cara, adaptando-o, o slogan de Maio de 68: "Nous sommes tous des Poussy Riot". Para quando a manifestação? Eu vou.

sábado, 4 de agosto de 2012

Juiza quis gozar com Rui Rio

Só pode. Ao intimar Rui Rio em pleno mês de Agosto para comparecer em tribunal para se apurar se é ou não "um fdp", ou se fdp pode querer dizer "fanático dos popós", a juiza do tribunal cível do Porto sabia, a menos que seja tonta, que assim ia fazer do Presidente da Câmara alvo da chacota "popular". A partir de agora, numa cidade como o Porto, chamar fdp a Rui Rio será um gozo pegado, e uma ofensa livre e gratuita, como já era chamar-lhe energúmeno, tanto mais que a dita juíza estabeleceu na sentença que os ditos popós são "o hobby" de Rui Rio.
Não, não foi falta de senso, tão pouco foi  para decidir que fdp significa normalmente no Porto filho da puta, isso a juiza já sabia, não precisava para nada de chamar Rui Rio, nem de convocar a imprensa toda, ela ou alguém por ela. O objectivo só pode ter sido humilhar um titular de um cargo político e dar livre curso, atear o fogo, a uma piada bem urdida. Como há oito anos fazem os juízes do caso Freeport em relação a José Sócrates. Não têm tomates para dar como provado o que quer que seja contra os políticos que tomam de ponta. Mas  não se cansam de criar factos políticos, à maneira de Marcelo.Inventam pretextos, humilham, chateiam, perseguem. Até à exaustão.
Existe um órgão próprio, o mesmo é dizer corporativo, que é responsável pelo decoro, bom nome e disciplina dos juízes? Vão por mim: não existe. Tremei, ó gentes! Um juiz faz o que lhe apetece e sobra-lhe tempo. Pode ser muito grave.

quinta-feira, 26 de julho de 2012

A culpa do fogo-posto na Luz é do Luís Filipe Vieira...

Lembram-se da Luz a arder, crime de fogo posto cometido por adeptos do Sporting a 26 de Novembro, depois de uma semana de histeria, intensa apologia do crime, em cujos actos preparatórios se notabilizaram entre outros o presidente da assembleia-geral Eduardo Barroso, nas televisões, o vice-presidente operacional Paulo Pereira Cristóvão, que cuspiu raios e coriscos já com as brigadas incendiárias em acção no terreno, e ainda, aparentemente, por Luís Duque, o responsável pela SAD do Sporting, que se pegou com os dirigentes do Benfica no final? Um jogo dirigido por um tal João Capela, que expulsou Óscar Cardoso por ter dado um murro na relva, lembram-se?

Pois, meus meninos, por mais incrível que pareça. quem foi castigado, ou apenas repreendido, ou tão somente objecto de atenção da FPF ou da Liga, não foi o árbitro burro e incompetente, pelo menos, nem os adeptos criminosos que incendiaram o Estádio depois da derrota, imagens que correram mundo, nem os dirigentes do Sporting que denodadamente contribuíram para tudo isso, ateando o fogo, ao longo de mais de uma semana, não senhor. O castigado com 45 dias de suspensão, ao fim de oito meses de um processo, estranhíssimo, foi Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica.

45 dias de suspensão porque não gostou de ver o Estádio a arder e terá sido inconveniente para o Sr Luís Duque, vereador em Sintra, personalidade do CDS, amigo do peito de Pinto da Costa (e do instrutor do processo?). Mais nada.

Uma verdadeira infâmia, mais uma, dos dirigentes do futebol que temos.

A dor da Espanha num cartoon do Economist

...muito bem esgalhado. O artigo também tem muito interesse.

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Onde está a acta do conselho científico sobre o caso Relvas?

Razão tem o jornal i em levantar a questão da ilegalidade do elenco do conselho científico da Lusófona que a própria Universidade divulgou. Mas há outra questão: houve mesmo uma qualquer reunião do dito conselho, em que foi de facto votado o parecer dos 160 créditos a Miguel Relvas? Se houve, em que data foi, quem esteve mesmo presente, quem votou ou não votou, onde está a acta?

É que não basta que o extraordinário parecer tenha a assinatura de António Fernando Santos Neves, em pessoa, que então se apresentava como  "reitor-fundador" (veja aqui entrevista do próprio) da Universidade Lusófona de Lisboa, em trânsito para Reitor da Universidade Lusófona do Porto, (além de director de departamento e avaliador de Relvas numa disciplina...), e também "apóstolo máximo" da Declaração de Bolonha em Portugal. Falta a prova de uma "formalidade" essencial para a atribuição das equivalências, que é a decisão válida de um conselho científico regularmente constituído.

A tutela, que é o Ministério de Nuno Crato, que foi o Ministério de Mariano Gago, tem uma palavra a dizer. Prof. Nuno Crato, tão rigoroso, não se sente incomodado pelo modo como funciona/funcionava esta Universidade? Prof. Mariano Gago, cientista e intelectual de renome, Ministro responsável pelas universidades quando isto se passou, como pode deixar a sua reputação grudar-se num caso destes?

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Mas afinal quem são os tipos da Lusófona?


A mim o que mais me choca na licenciatura de Relvas é o comportamento da "Universidade" Lusófona e dos seus reitores, aqui a homenagear o Bispo do Porto. Quem foi capaz de subscrever esta bosta que o Público de hoje revela na íntegra? Que domínio da linguagem, da gramática, da lusofonia, justifica uma conclusão como esta:
Três aspectos merecem particular relevância: a longevidade das funções desempenhadas, a natureza das mesmas, maioritariamente de liderança ou grande responsabilidade institucional, e a sua variedade. Estes dois aspectos enunciam um currículo rico em elementos que enquadram um parecer de valorização do mesmo em 160 ECTS, que deverão ser feitos equivaler a diferentes unidades curriculares, preferencialmente em linha com os diferentes pontos enunciados neste parecer 
Atente-se nos "três aspectos" que afinal são dois. Na "longevidade" de "funções", hem! Nos "elementos" do currículo (quais?), que enquadram (sic) um parecer de valorização do mesmo em 160 ECTS.  Porquê 160, e não 170, ou 120, ou 10? Nenhuma explicação. Assim funciona a Lusófona e o seu 'reitor-fundador nunca deixará de ser, com ou sem diploma e medalha oficiais, vitalício “Reitor Honorário” da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias de Lisboa?' (Sic! Elogio em boca própria!)

Assim se define o primeiro subscritor do "parecer" (alguém o homologou?), Prof. António Fernando dos Santos Neves, "reitor-fundador", com letra pequena, e "Reitor Honorário", com letra grande, em entrevista que ele próprio se faz na Revista Lusófona de Humanidades e Tecnologias. 

Aí se diz que é "doutor em Filosofia e em Ciências Sociais Aplicadas na especialidade de Pensamento Contemporâneo". Mas não se esclarece que Universidade lhe deu o título.

Aí se gaba de ter sido "Professor de Ciências Políticas na Universidade de Paris". Qual delas, para podermos confirmar? Paris I? Paris II? Paris III....Paris XIII? É que há mais de 40 anos que não há uma Universidade de Paris, mas 13, autónomas e independentes. Faut pas épater le bourgeois com essa de que foi "Professor de Ciências Políticas", com letra grande, em Paris, sem dizer quando, a que título e em que universidade. Eu fui aluno (só aluno, não pedi por isso qualquer equivalência em Lisboa) de Paris II, Université de Panthéon-Assas. Nunca o vi por lá.

Também diz o Prof. Doutor Lusófono que "estruturou nas Universidades Portuguesas a disciplina IPC – Introdução ao Pensamento Contemporâneo”. Ah estruturou? O que é isso? E "as Universidades Portuguesas" sabem disso?

O melhor do seu currículo, no entanto, é que "fundou as Semanas Portuguesas de Teologia”. "Fundou". Teologia, hem! Aliás o primeiro dos seus livros chama-se "Estudos Teológicos" E foi publicado nas Actas das Semanas Portuguesas de Teologia, Org., 6 volumes (Lisboa, 1962…, Reedição fotocopiada, Revista Lusófona de Ciência das Religiões.

Está tudo explicado? Ainda não. Teólogo é mas de Bolonha! Ele próprio se diz "apóstolo-mor", na introdução, e apóstolo máximo, de viva voz, nestes termos
Como é sabido, o novo reitor da ULPorto (ele próprio Fernando Santos Neves!) já não se livra da fama (esperemos também que de algum proveito...) de ter sido, em Portugal, o apóstolo máximo da “Declaração de Bolonha” contra os “atrasos de vida e de modernidade” das Universidades Portuguesas (sic).

Que até terá publicado um livro: “Adimplenda est Bolonia! É preciso cumprir. Pois cumpriu Bolonha e de que maneira: 160 créditos, por junto e atacado, à vontade do freguês, sem justificações que se vejam, o homem é um teólogo, a licenciatura de Relvas é uma coisa do Além. Da Universidade Lusófona.

Sabem por acaso como se entra na Lusófona? Por exames de ingresso, claro. Com que provas? Oiçam isto, tirado do site da Lusófona de Lisboa: 
Para a candidatura de 2012 podem ser utilizados como provas de ingresso exames feitos em anos anteriores.
Entenderam?! E a seguir:
Os exames nacionais do ensino secundário podem ser utilizados como provas de ingresso no âmbito da candidatura à matrícula e inscrição no ensino superior no ano da sua realização e nos dois anos seguintes, sem necessidade de repetição no ano em que for concretizada a candidatura ao ensino superior.
Ainda há quem se queixe que alguns souberam que "podiam" sair nos pontos de português certos cantos dos Lusíadas! Na Lusófona "podem sair", eu disse podem, pontos de exames anteriores, ou dos exames do secundário. Querem apostar que geralmente saem mesmo?

sábado, 9 de junho de 2012

A notícia de logo à noite...

... já foi publicada há 250 anos, por antecipação. Da vitória de Portugal sobre a Alemanha dir-se-á simplesmente que a rapaziada...
... remio a honra da Nasção, não só da orfandade a que esteve exposta, mas do terrível oprobio com que tão feyo insulto infamaria a illustre reputação, que em todo o mundo lhe tinha adquirido a fidelidade, e o amor que nos portugueses encontraram os seus Príncipes, e legítimos Senhores. (Cavaco, Leonor e... a Galp Energia).